Pesquisar neste blogue

A carregar...

quinta-feira, 14 de fevereiro de 2013

"Ataque" português a aviões japoneses

O hidroavião Osprey 71, com a cruz de cristo, começou a descrever um arco largo sobre Macau, quando surgiram seis outros hidroaviões japoneses, em dois grupos de três. Voavam mais alto que o aparelho luso e em direcção contrária, mas rapidamente tomaram rumo para o avião português.

No porto de Macau, a bordo do aviso Bartolomeu Dias, o oficial de dia, tenente Manuel Antunes Cardoso Barata, apercebeu-se do que se estava a passar no céu e seguiu a acção com toda a atenção. Viu um primeiro grupo de três aviões a virar seguido logo depois dos outros três.

O Osprey do Bartolomeu Dias acusado de hostilizar seis aviões japoneses.

Os primeiros aparelhos aproximaram-se do Osprey, enquanto desciam, e pouco depois retomavam o rumo anterior. O segundo grupo comportou-se de forma diferente.

Segundo o relatório, deixado pelo tenente Barata no diário de bordo do Bartolomeu Dias, o grupo japonês “desceu até à altitude de voo do Osprey 71 envolvendo-o, quasi sempre recuado, fazendo picadas, cabrando, virando rápidos ou fazendo reversements”.

O avião português continuava o seu rumo imperturbado.

Os japoneses estiveram pouco tempo nestas manobras e no momento que regressavam ao seu rumo inicial “chegou até ao navio, ouvindo-se distintamente no castelo, o ruido de uma rajada de metralhadora que não é fácil calcular quando e em que circunstância teria sido dada”, continua o relatório.

O avião português, que pertencia ao aviso, amarou pouco depois junto do navio, mas nem o piloto - 2º tenente Rodrigo Henriques Silveirinha – nem o 2º tenente Cardoso Dias que tinha subido para testar o rádio, se tinha apercebido da presença de outros aparelhos e ainda menos de uma rajada de metralhadora.

Num relatório o 2º tenente Silveirinha explicaria porque não se teria apercebido de qualquer facto: “Dada a natureza do voo (…) fiz quase sempre navegação pelos instrumentos de pilotagem sem visibilidade exterior, levando portanto a minha atenção presa para dentro do aparelho; o observador andou sempre no fundo do avião junto ao posto de TSF – desta maneira se pode explicar que nenhum de nós tivesse notado a aproximação de outros aviões”.

Informado das duas versões o comandante do Bartolomeu Dias, Francisco Luiz Rebello, considerou que os factos se resumiam “a uma simples presunção do oficial de dia, não quanto às manobras dos aviões, mas quanto à distância a que eles estavam do nosso”. Viria a arrepender-se destas conclusões.

Estávamos a 12 de Janeiro de 1938. Os japoneses disputavam os territórios Chineses e encontravam-se às portas de Macau. A guerra no Pacífico estava longe de se ter generalizado. Só em 1940 os ingleses e a Commonwealth entrariam na contenda enquanto os americanos fariam o mesmo em 1941.

Macau permaneceu sempre com bandeira portuguesa durante ao conflito, mas registaram-se claros avanços e ataques japoneses (ou com apoio japonês) no território e nas ilhas circundantes – algumas reclamadas pelos portugueses. E já neste caso os japoneses mostraram algum músculo frente ao governo de Salazar.

Dias depois do incidente o comandante Francisco Luiz Rebello era chamado pelo governador do território, Artur Tamagnini Barbosa, para dar satisfações sobre um telegrama que chegara do Ministério das Colónias e onde se dava nota de que o Ministro Japonês em Lisboa tinha apresentado “um protesto contra o facto de o nosso avião ter cometido um acto de hostilidade contra uma esquadrilha de aviões japoneses“.

 
 Os Avisos como o Bartolomeu Dias, transportavam um hidroavião.
(Foto: Blogue Nenotavaiconta)

O comandante do Bartolomeu Dias teve de explicar-se por não ter referido antes o incidente, enquanto se mostrava surpreendido pela forma como os japoneses “interpretavam” os acontecimentos.

“Respondi ao senhor Governador que isso não era verdade porque em primeiro lugar o nosso avião sobrevoa apenas os nossos territórios quer marítimos quer terrestres e em segundo lugar porque não se compreendia que o nosso avião não tendo meios de defesa ou de ataque, visto que a metralhadora não anda montada, fosse hostilizar qualquer avião”, esclarece num relatório extraordinário enviado ao “Excelentíssimo Senhor Major General da Armada”.

Estranhamente os japoneses entram em contradição no decorrer do processo. De Lisboa protesta-se contra um suposto acto de hostilidade, enquanto em Macau, e sem que o comandante do Bartolomeu Dias fosse informado, as autoridades japonesas tinham pedido desculpa ao chefe dos serviços de marinha que “lamentavam” o ocorrido. Pediam mesmo, para evitar que se repetissem incidentes que os aviões portugueses evitassem a proximidade das áreas ocupadas pelas tropas nipónicas.

Por todas estas razões o comandante Francisco Luiz Rebello não tem duvidas em afirmar, de forma oficial, que “o nosso avião foi alvo de fogo dos aviões japoneses sobrevoando as nossas águas e não nas proximidades de posições japonesas”.

Carlos Guerreiro

<------------------------------------->
Para ler mais sobre aviação clique AQUI

Sem comentários:

Enviar um comentário